Oferta Relâmpago
Hope Lingerie Logo
Hope Resort Logo
Bonjour Lingerie

Frete Grátis nas compras acima de R$ 249,00 | 6X sem juros*

24. #PapoÍntimo com Walter Longo

Sandra Chayo e Walter Longo

No episódio 24 do Papo Íntimo, o convidado de Sandra Chayo foi o empreendedor, conselheiro e especialista nos impactos da inovação na vida das pessoas e das empresas: Walter Longo.

Como foi a trajetória de carreira de Walter Longo?

Walter Longo teve uma vasta experiência em vários nichos de trabalho até chegar onde se encontra atualmente.

Como Walter Longo conquistou seu primeiro emprego?

Sua história começou quando ele morava em Recife e decidiu se mudar por conta própria para São Paulo. Walter, tinha 18 anos, tinha pouco dinheiro guardado e morava em uma pensão, se aventurando em um mundo totalmente contrário ao que estava acostumado.

Walter teve dificuldade para encontrar um emprego, já que não tinha experiência anterior trabalho. Então, se deparou com uma proposta de emprego a qual não era compatível em nenhum dos requisitos. No fim das contas, garantiu o emprego como vendedor através da confiança que demonstrou na entrevista.

Em quais áreas Walter Longo já trabalhou?

Durante o seu percurso neste emprego aprendeu métodos de venda, o que o ajudou a progredir financeiramente. Depois disso foi convidado a ser sócio de uma empresa de eventos, e logo depois na área de show business, organizando eventos musicais.

Por se sentir sobrecarregado com o estresse gerado pela organização dos eventos, que passaram a ser maiores, Walter vendeu sua parte da empresa para o seu sócio. A partir disso, passou por outros trabalhos na área publicitária, como executivo. Ele transitou entre trabalhos na área e da TV e mais recentemente foi Diretor do Grupo Abril.

Referência digital

Quando finalizou seu trabalho no Grupo Abril, teve muitas propostas para ser conselheiro, e percebeu que esse era uma cargo que exigia muita experiência, e ele, apesar de sua idade, é um dos maiores entendedores de inovação e mundo digital.

Walter ressalta o grande dinamismo entre os trabalhos que realizou, tendo ficado dos três lados do balcão: anunciante, agência e na parte da mídia, podendo experienciar as visões pelos três lados.

Domando a timidez

Ser tímido é um traço de personalidade de Walter, que poucas pessoas conhecem, uma vez que ele não aparenta ser uma pessoa tímida, em razão da sua desenvoltura.

Sandra Chayo e Walter Longo falaram sobre essa característica da timidez, que eles tem em comum. Walter admitiu ser uma pessoa excessivamente tímida, mas que os anos de experiência como palestrante o ajudaram a domar esse sentimento.

E concluem que, apesar de por vezes a timidez ser um sentimento que cansa, não há muito o que fazer, se não aceitar a personalidade que temos e aprender a lidar com essas sensações.

Quais transformações as empresas sofreram na forma de se posicionar ao longo dos anos?

Walter contribuiu muito em relação à sua visão sobre como as empresas tem mudado ao longo do tempo, tornando-se muito mais preocupadas em nutrir um ecossistema, com parcerias, alianças e outra visão de mercado.

Isso faz com que a missão da empresa, seja ampliada. E além disso, reflete que essas migrações, fazem com que o conselho se torne cada vez mais necessário para empresas que alcançam o sucesso.

Então, hoje, para que uma empresa possa se solidificar e cumprir um papel de relevância na vida de seus clientes, ela precisa ter um planejamento organizacional nesse sentido, desenvolvendo um ecossistema que prospere.

Qual o papel do universo digital na modernidade?

Outro assunto que rendeu muito insights nesse episódio do Papo Íntimo, foi o impacto do digital no mundo atualmente, Walter foi questionado por Sandra Chayo sobre como ele enxerga essas mudanças tecnológicas.

Ondas digitais

Walter longo falou sobre como nos relacionamos com a tecnologia, e isso acontece através das ondas.

A princípio, tivemos a onda da Internet, depois disso, a onda das redes sociais, sequencialmente surgiu o metaverso. De acordo com a visão de Walter, o metaverso não seria ainda, uma onda, e sim uma marola. Isso porque ainda não se solidificou, apesar de muitas empresas já estarem investindo em infraestrutura para essa área.

Mais recentemente, tivemos a inteligência artificial entre os assuntos mais falados. Apesar de ser um assunto existente a anos, só agora foi disponibilizado e possível esse acesso. E Walter acredita que essa não será uma onda, e sim um tsunami. Através da rapidez de sua veiculação, e das múltiplas tarefas possíveis de serem realizadas.

A inteligência artificial vai roubar nossos empregos?

Ao ser questionado por Sandra sobre o medo de algumas pessoas ao lidar com a inteligência artificial, Walter deduz que tudo que surge de novidade, existem diferentes reações. Pessoas otimistas que ficam animadas, e pessoas pessimistas que se apavoram frente ao novo.

Na sua visão, compartilha de uma ideia de adição, portanto tem um pensamento mais otimista frente à essas transformações.

E ainda vai além, ressaltando que as máquinas precisam de um processo descritivo bem elaborado para funcionar adequadamente e é possível que a nova geração, com um vocabulário restrito, não tenha tanta habilidade para otimizar da melhor forma seu funcionamento, pela falta da bagagem, do repertório e da extensão vocabular.

A partir disso, questões como o etarismo começam a diminuir, pois as empresas enxergam os mais velhos com produtividade, nesse sentido.

E nessa mesma direção, Walter faz uma afirmação importante: “a inteligência artificial não veio para roubar nossos empregos, veio para devolver nossa humanidade”. Usar a inteligência artificial, seria portanto, sinônimo de liberdade e também um meio de poupar nosso bem mais escasso, o tempo.

A partir disso, a discussão passa a ser em torno da seguinte questão: queremos continuar sendo normais, ou nos tornarmos exponenciais? Sandra, faz uma colocação nesse sentido que pode gerar muitos insights: a ambição positiva é muito importante para o nosso desenvolvimento.

O metaverso pode mudar, ou salvar o mundo, diz Walter Longo

Ainda sobre tecnologia e inovação, Walter fala que o papel do metaverso depende se a sua visão é otimista ou pessimista. Citando, como exemplada evolução, a transformação dos aplicativos de áudio que democratizaram o acesso à música. E que, com o metaverso, essa democratização se torna exponencial, potencializando o acesso a tudo.

Então, Walter acredita que o metaverso será responsável por tornar acessível, experiências que antes eram consideradas possíveis apenas por uma pequena parte da sociedade

Confira o episódio completo no YouTube e aproveite também para seguir a página do Papo Íntimo no Instagram, @papointimo.podcast, e fique por dentro de todas as novidades!

PRODUTOS RELACIONADOS

Gostou desse conteúdo? Leia também: